Estimule a mulher através do toque

casal-apaixonado-blusa-maos-banco

Uma das melhores formas de se criar intimidade com uma mulher e atraí-la é através do toque. O toque demonstra carinho, afeto e sensualidade. O toque não apenas pode criar uma forte atração como, também, acelerar todo o processo de conquista – por isso, nosso interesse nele.

Desde que nascem, as meninas são muito mais sensíveis ao toque e, quando adultas, a sensibilidade de sua pele é pelo menos dez vezes maior que a dos homens. Estudos cuidadosos já confirmaram que as mulheres são bem mais sensoriais, e a explicação vem da evolução biológica. Enquanto o homem primitivo saía de sua tribo para caçar, a fêmea ficava em casa cuidando dos filhos. Por causa disso, o homem precisava de uma pele mais espessa para protegê-lo de possíveis ferimentos durante a caçada.

Todos esses estudos ajudam a embasar a importância do toque na sedução. Um dos erros mais comuns cometidos pelos homens é conversar durante muito tempo e não tocar a mulher. Fazendo isso, corremos sérios riscos de ficarmos estagnados na “zona de amizade”, além de perder a excelente oportunidade de gerar atração na mulher através do toque.

Tão logo quanto possível deve-se iniciar o que chamamos de escalação física. Durante a escalação inicia-se o toque de forma bem sutil, quase imperceptível. Com o decorrer da abordagem, e ao se receber indicadores de interesse mais concretos, a progressão física avança gradativamente até chegar a um fechamento – como um beijo, por exemplo.

Os lugares mais apropriados para iniciar o toque são a parte superior da mão, o braço ou o ombro. No princípio, prefira deslizar os dedos ao invés de pressioná-los.

O guru norte-americano David Deangelo sugere que se faça a escalação recuando alguns passos quando houver resistência. Dessa forma, você avança, mas jamais sem o consentimento da outra pessoa. Aliás, o toque tem o objetivo de estimular a mulher – embora ele não deva ter conotação sexual. Isso a deixaria na defensiva, o que não seria nada bom. O toque deve privilegiar áreas e regiões do corpo da mulher ricas em terminações nervosas, como a palma da mão, por exemplo.

Você não precisa ter uma razão lógica para tocar a outra pessoa enquanto conversa. No entanto, algumas pessoas se sentem mais confortáveis fazendo isso através de “desculpas lógicas”. Há diversas rotinas, jogos e brincadeiras que você pode fazer. Um bastante conhecido – e poderoso – é a leitura das linhas da mão. Você precisa apenas ter uma noção do significado de cada linha. Não é complicado aprender. Além de estar tocando uma parte do corpo feminino rica em terminações nervosas, também poderá aplicar alguma técnica de leitura fria.

O toque é essencial na conquista. Apenas assegure-se de que você não deixa a outra pessoa desconfortável, e nem que fique grudado demais. Lembrando-se disso você conseguirá resultados bem mais satisfatórios nas suas futuras abordagens.

O que vem depois?

Saber exatamente o que fazer para atrair e conquistar uma mulher é uma arma poderosa que todo homem deveria ter.

Ainda assim, a maioria dos homens nunca saberá exatamente o que fazer para atrair uma mulher.

É por isso que gravei este vídeo.

Você verá quais são os gatilhos da atração mais poderosos para deixar uma mulher interessada em você…

Clique aqui para assistir

Você também aprenderá a usar um gatilho da psicologia social, extremamente poderoso, mas pouco conhecido.

Isso funcionará mesmo que você seja tão tímido que fica com as orelhas queimando só de falar “oi” pra uma garota…

Ou se você já tentou se aproximar dessa pessoa antes mas as coisas não saíram como você queria…

Eu não tô falando de tentar comprar a mulher com jantares, viagens ou presentes caros.

Muito menos se trata de decorar meia dúzia de cantadas prontas nem de tentar fazer joguinhos de manipulação que, alguns por aí juram, ter o poder de hipnotizar a mulher…

Ao contrário, o que você verá no vídeo é baseado em um estudo pouco divulgado da psicologia e da observação daqueles homens que, naturalmente, sabem despertar desejo nas mulheres.

Continuar »

— Eduardo Santorini